Centro Espírita Manoel Felipe Santiago

Uma história construída pelo ideal ao Cristo

 

“... Quando qualquer um de nós adentra um centro espírita, possivelmente não se dará conta da história da instituição, o que de trabalho, abnegação e até sacrifício custaram aos trabalhadores da primeira hora, aqueles que tiveram a superior inspiração de fundá-la, bem como os que por lá passaram antes de nós, deixando a marca da sua presença. Hoje vivemos um clima de liberdade absoluta nas atividades espíritas, mas nem sempre foi assim. Houve época em que praticar Espiritismo era quase um caso de polícia, e os militantes tinham seus passos vigiados; mas nada disso fez esmorecer o amor à doutrina, a inabalável fé na proteção espiritual, e assim o Espiritismo consolidou-se, conquistando o respeito de toda a sociedade.”

(Dilton Pereira - Personagens Inesquecíveis VI – Jornal Espírita de Macaé )

O patrono desta Casa, o Sr. Manoel Felipe Santiago, era natural do Estado do Amazonas e não tinha família em Belo Horizonte.

Ele era uma pessoa simples, humilde e trabalhava vendendo doces no Parque Municipal. Espírita convicto, freqüentava a União Espírita Mineira. Apesar de muito pobre, o fruto do seu trabalho era todo revertido para a caridade, procurando amenizar a vida das pessoas mais necessitadas e sofridas.

Não possuímos fotografia de Manoel Felipe Santiago, mas um médium vidente, excelente desenhista, durante uma reunião em nossa casa, desenhou seu retrato que anos depois foi confirmado por Divaldo Franco em uma de suas visitas a Belo Horizonte.

Desencarnou no dia 11/09/1920. Quinze anos depois, em 10/11/1935, comunicou-se pela primeira vez por meio do médium Guerardwyn Brandão.

No plano espiritual, continua seu trabalho de levar os eflúvios de amor e caridade aos corações aflitos e atormentados.

Foi no ano de 1938, na Rua da Bahia n° 1000, onde foi lançada a semente que deu origem a esta casa. O local era uma pensão de propriedade de D. Luiza, que se encontrava muito enferma, apesar de toda assistência médica que vinha recebendo.

Foi então que um dos pensionistas, Sr. Gerardwyn Brandão, funcionário público, estudioso da doutrina espírita e médium, foi aconselhado pelo espírito de Manuel Felipe Santiago a ministrar passes e usar água fluidificada no tratamento da enferma, D. Luiza.

Iniciado o tratamento, a melhora não se fez esperar. D. Luiza, completamente curada, e, por conselho de seus familiares, procura o padre da igreja que freqüentava para levar a notícia de sua cura. No entanto, contrariando suas expectativas, foi seriamente repreendida, convidada a fazer opção entre a igreja e o espiritismo.

Entristecida, porém feliz e confiante na sua fé, juntamente com sua filha Celina e o Sr. Gerardwyn Brandão, fundou, naquela pensão, o Culto do Evangelho no Lar, com o estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo.

O entusiasmo de todos era tão contagiante que em pouco tempo o local não cabia de companheiros que chegavam, uns em busca de conhecimento e outros, de tratamento. O espírito de Manoel Felipe Santiago, por intermédio de Gerardwyn Brandão, a todos atendia com conselhos e receituários. A pensão já não comportava tanta gente e um outro lugar se fazia necessário. Foi então que o Sr. Darcy Teixeira Lopes, genro de D. Luiza, cedeu um porão localizada à Rua Carangola n° 213, bairro Santo Antônio, para onde o grupo se transferiu.

E assim, no dia 14 de julho de 1944, naquele local, foi fundado o Grupo Espírita “Manoel Felipe Santiago”.

Primeira Diretoria:

 

 

O Dr. Juscelino kubistscheck, então prefeito de Belo Horizonte, foi quem doou o lote da Rua Leopoldina, bairro Santo Antônio ao Grupo Espírita “Manoel Felipe Santiago”, fato ocorrido em 07/02/1945 e noticiado ao grupo pela presidente D. Celina Santos Teixeira Lopes.

No entanto, não havia recursos para a construção da sede e, por essa razão, em março de 1945, a diretoria propôs a mudança do grupo para a sede do Centro Espírita “Luz e Humildade” localizado na Rua Guajajaras, n° 1416, onde dividiriam as despesas.

A proposta foi aceita em 10/04/1945, até que fossem conseguidos recursos para a construção da sede própria. Com grande sacrifício o grupo conseguiu construir um barracão no fundo do lote, vencendo obstáculos de toda natureza para conseguir doações, além do grande preconceito religioso que vitimava os espíritas de então.

Em 17/04/1947, foi realizada uma reunião de agradecimento ao mentor “Manoel Felipe Santiago” e à sua equipe, ficando assim inaugurada a pequena sede do grupo. As mensagens esclarecedoras e os profundos ensinamentos transmitidos por esse espírito eram todos registrados em ata.

Neste dia, o nosso patrono deu a seguinte comunicação psicofônica pelo médium Brandão:

“Hoje nos reunimos para uma sessão que é de grande responsabilidade para todos nós. O Pai deu-nos uma casa. Agora é nosso dever corresponder a esta dádiva, com nossa boa vontade em trabalhar, para que ela não seja alicerçada na areia. Nosso pensamento deve estar em Deus e naqueles que tudo fizeram para a nossa união. Esta é uma casa de Deus e do Trabalho. Hoje eu me vejo como há anos, como quando me comuniquei pela primeira vez por este médium, para aconselhar a um amigo que está aqui presente em espírito. Vejo-me a seguir em uma sala de refeições, depois em um porão que nos fora oferecido para prosseguirmos o nosso trabalho e eu sempre junto a vocês. Hoje a alegria não é só minha, é nossa, e de todos os amigos que aqui estão, sejam encarnados ou desencarnados. Todos aqui se reúnem conosco para dar graças a Deus. Nossa casa será bem grande para o trabalho e eu lhes asseguro que muito haveremos de fazer neste grupo ao qual não souberam dar o nome.”

(Manoel Felipe referindo-se ao fato da Casa ter seu nome)

Ao final da comunicação, fez diversos agradecimentos, e terminou desejando receberem todos, como ele, as luzes que vinham do alto.

A festa de inauguração do Grupo Espírita Manoel Felipe Santiago aconteceu em 20/04/1947.

O sonho do mentor desta querida Casa, preocupado como sempre em ajudar os mais necessitados, era a confecção de roupas para serem distribuídas às pessoas carentes, a criação de pequena farmácia para atender aos doentes sem recursos, os tratamentos para os obsediados e uma casa para crianças.

A festa de inauguração da primeira sede própria, do Grupo Espírita Manoel Felipe Santiago, foi realizada em 20/04/1947 e contou com a participação de numerosa assistência, inclusive representantes de várias entidades espíritas da capital.

Representava a União Espírita Mineira, o seu presidente Dr. Camilo Chaves*, que dirigiu os trabalhos. Agradeceu ao Pai pela nova casa espírita. Discursaram ainda, Bady Cury pelo Centro Luz, Amor e Caridade., Dr. Noraldino de Castro Lima, Sr. Maria Filomena Aluoto pela Casa de Betânia, Osmar Santos pela Sopa dos Pobre, Efigênio Sales pelo Abrigo de Jesus, professor Cícero Pereira, Moutinho e Pedro Zeriani pelo Centro Oriente.

Houve uma farta distribuição de roupas e biscoitos às crianças pobres e ao término D. Celina ofereceu aos presentes uma mesa de doces, agradecendo a presença de todos.

Os anos se passaram, novos adeptos e freqüentadores foram se juntando ao grupo, porém os fundadores não viam possibilidade de ampliar a sede, por causa das dificuldades financeiras.

Apesar de pequeno, o barracão ainda era cedido um dia por semana (6ª feira) para o Grupo Legionários do Bem, e uma vez por mês ao Grupo das Samaritanas.

Com a mudança do Grupo para o bairro Santo Antônio, novos adeptos da doutrina foram chegando para as reuniões que eram realizadas no barracão, e com o surgimento de idéias novas o movimento de casa foi se ampliando.

Foi na gestão de Dirceu Prado Moreira, 19/09/1946 a 18/09/47, logo após a inauguração da sede provisória, que a diretoria começou a se movimentar no sentido de legalizar o terreno para o início da sede social.